Sua língua na Internet

Índice

09.08 Pronomes Indefinidos

Chamam-se indefinidos os pronomes que se aplicam à 3ª pessoa gramatical, quando considerada de um modo vago e indeterminado.

Formas dos pronomes indefinidos

Os pronomes indefinidos apresentam formas variáveis e invariáveis:

Variáveis Invariáveis
masculino feminino
algum alguns alguma algumas alguém
nenhum nenhuns nenhuma nenhumas ninguém
todo todos toda todas tudo
outro outros outra outras outrem
muito muitos muita muitas nada
pouco poucos pouca poucas cada
certo certos certa certas algo
vário vários vária várias  
tanto tantos tanta tantas  
quanto quantos quanta quantas  
qualquer quaisquer qualquer quaisquer  

Locuções pronominais indefinidas

Dá-se o nome de locuções pronominais indefinidas aos grupos de palavras que equivalem a pronomes indefinidos: cada um, cada qual, quem quer que, todo aquele que, seja quem for, seja qual for, etc.

Pronomes indefinidos substantivos e adjetivos

  • 1. Os indefinidos alguém, ninguém, outrem, algo, nada e tudo só se usam como pronomes substantivos:
  • Alguém batia palmas insistentes na varanda. (O. L. Resende)
  • Que outrem melhor fará o louvor de lira emudecida? (M. Bandeira)

  • 2. Os demais são pronomes adjetivos que, em certos casos, podem funcionar como pronomes substantivos:
  • Muitos alunos prestaram exame, mas poucos foram aprovados.

  • 3. Certo apenas se usa como pronome adjetivo:
  • Em certo ponto a água cobria um homem.

  • 4. Também os indefinidos cada e qualquer devem sempre vir acompanhados de substantivo, pronome ou numeral cardinal:
  • Está cada qual como Deus o fez. (G. Ramos)
  • Certas palavras não podem ser ditas em qualquer lugar. (C. D. de Andrade)

Valores de alguns indefinidos

Algum e nenhum

  • 1. Anteposto a um substantivo, algum tem valor positivo. É o contrário de nenhum:
  • A saudade do paraíso perdido ainda plange em alguns corações. (G. Amado)

  • 2. Posposto a um substantivo, algum assumiu, na língua moderna, significação negativa, mais forte do que a expressa por nenhum. Em geral, o indefinido adquire este valor em frases onde já existem formas negativas, como não, nem, sem:
  • Não escreveu, que eu saiba, livro algum. (A. F. Schmidt)

  • 3. Reforçado por negativa, nenhum pode equivaler ao indefinido um:
  • Eu, Marília, não fui nenhum vaqueiro
  • Fui honrado pastor da tua aldeia. (T. A. Gonzaga)

Cada

  • 1. Como dissemos, deve-se empregar o indefinido cada apenas como pronome adjetivo. Quando falta o substantivo, usa-se cada um (uma), cada qual:
  • Cada qual sabe de sua vida. (J. Amado)

  • 2. Cada pode preceder um numeral cardinal para indicar discriminação entre unidades, ou entre grupo ou séries de unidades:
  • De cada dúzia de ovos que vendia, a metade era lucro.

  • 3. Tem acentuado valor intensivo em frases do tipo:
  • Você tem cada uma! (G. Ramos)

Certo

  • 1. Certo é pronome indefinido quando anteposto a um substantivo. Caracteriza-o a capacidade de particularizar o ser expresso pelo substantivo, distinguindo-o dos outros da espécie, mas sem identificá-lo. Dispensa, em geral, o artigo indefinido. A presença deste torna a expressão menos vaga e dá-lhe um matiz afetivo:
  • No rostinho enrugado e emurchecido, havia ainda uma certa graça e vivacidade de menina. (E. Veríssimo)

  • 2. É adjetivo, com o significado de seguro, verdadeiro, fiel, constante:
    • a) quando posposto ao substantivo:
    • Idade certa não sei. (G. França de Lima)

  • b) quando anteposto ao substantivo, mas precedido de palavra que exprima gradação:
  • Mais certo amigo é João de que Pedro, tão certo amigo é João como Paulo. (S. da Silveira)

Nada

  • 1. Nada significa nenhuma coisa, mas equivale a alguma coisa em frases interrogativas negativas do tipo:
  • De tempos em tempos aparecia, perguntava se eu não queria nada. (M. de Andrade)

  • 2. Junto a um adjetivo ou a um verbo intransitivo pode ter força adverbial:
  • Aquele menino não é nada tolo.
  • O cavalo não correu nada.

Outro

  • 1. Cumpre distinguir as expressões:
    • a) outro dia, ou o outro dia = um dia passado mas próximo:
    • Outro dia fui à casa do Sebastião e lá aceitei um café. (C. D. de Andrade)

    • b) no outro dia, ou ao outro dia = no dia seguinte:
    • No outro dia, de volta do campo, encontrei no alpendre João Nogueira, Padilha e Azevedo Gondim. (G. Ramos)

  • 2. Em expressões denotadoras de reciprocidade, como um ao outro, um do outro, um para o outro, conserva-se em geral a forma masculina, ainda que aplicada a indivíduos de sexos diferentes:
  • Compreendi que um vínculo de simpatia moral nos ligava um ao outro; com a diferença que o que era em mim paixão específica, era nela uma simples eleição de caráter. (M. de Assis)

  • 3. Outro pode empregar-se como adjetivo na acepção de diferente, mudado, novo:
  • Teria hoje outra visão. (T. M. Moreira)

Qualquer

Tem por vezes sentido pejorativo, particularmente quando precedido de artigo indefinido:

— Júlio, se eu te falo assim é porque não te vejo como um qualquer. (J. L. do Rego)

A tonalidade depreciativa torna-se mais forte se o indefinido vem posposto a um nome de pessoa:

Hoje é isto que o senhor vê: um Pestana qualquer acha-se com o direito de ser deputado. (J. L. do Rego)

Todo

  • 1. No singular e posposto ao substantivo, todo indica a totalidade das partes:
  • O conflito acordou o colégio todo. (G. Amado)

  • 2. No plural, anteposto ou não, designa a totalidade numérica:
  • Todos os barcos se perdem,
  • Entre o passado e o futuro. (C. Meireles)

  • 3. Anteposto a um elemento nominal, aposto ou predicativo, emprega-se com o sentido de inteiramente, em todas as suas partes, muito:
  • Eras toda graça e incompreensão. (R. Couto)

Tudo

Refere-se normalmente a coisas, mas pode aplicar-se também a pessoas:

Fidélia chegou, Tristão e a madrinha chegaram, tudo chegou. (M. de Assis)