Sua língua na Internet

Índice

09.05 Pronomes Demonstrativos

  • 1. Os pronomes demonstrativos situam a pessoa ou a coisa designada relativamente às pessoas gramaticais. Podem situá-la no espaço ou no tempo:
  • Vivi; pois Deus me guardava
  • Para este lugar e hora! (G. Dias)

  • A capacidade de mostrar um objeto sem nomeá-lo, a chamada função dêitica, é a que caracteriza fundamentalmente esta classe de pronomes.


  • 2. Mas os demonstrativos empregam-se também para lembrar ao ouvinte ou ao leitor o que já foi mencionado ou o que se vai mencionar:
  • A ternura não embarga a discrição nem esta diminui aquela. (M. de Assis)

É a sua função anafórica.

Formas dos pronomes demonstrativos

  • 1. Os pronomes demonstrativos apresentam formas variáveis e formas invariáveis, ou neutras:

  • Variáveis Invariáveis
    masculino feminino
    este estes esta estas isto
    esse esses essa essas isso
    aquele aqueles aquela aquelas aquilo

  • 2. As formas variáveis (este, esse, aquele, etc.) podem funcionar como pronomes adjetivos e como pronomes substantivos:
  • Este livro é meu.
  • Meu livro é este.

  • 3. As formas invariáveis (isto, isso, aquilo) são sempre pronomes substantivos.

  • 4. Estes demonstrativos combinam-se com as preposições de e em, tomando as formas: deste, desta, disto; neste, nesta, nisto; desse, dessa, disso; nesse, nessa, nisso; daquele, daquela, daquilo; naquele, naquela, naquilo.

  • Aquele, aquela e aquilo contraem-se ainda com a preposição a, dando: àquele, àquela e àquilo.


  • 5. Podem também ser demonstrativos o (a, os, as), mesmo, próprio, semelhante e tal, como veremos adiante.

Valores gerais

Considerando-os nas suas relações com as pessoas do discurso, podemos estabelecer as seguintes características gerais para os pronomes demonstrativos:

  • 1º) Este, esta e isto indicam:
    • a) o que está perto da pessoa que fala:
    • As mãos que trago, as mãos são estas. (C. Meireles)

    • b) o tempo presente em relação à pessoa que fala:
    • Ó tristeza sem fim deste dia de agosto! (G. de Almeida)

  • 2º) Esse, essa e isso designam:
    • a) o que está perto da pessoa a quem se fala:
    • — Que susto você me pregou, entrando aqui com essa cara de alma do outro mundo! (C. dos Anjos)

    • b) o tempo passado ou futuro com relação à época em que se coloca a pessoa que fala:
    • Desses longes imaginados, dessas expectativas de sonho, passava ele ao exame da situação da Europa em geral e da Alemanha em particular. (G. Amado)

  • 3º) Aquele, aquela e aquilo denotam:
    • a) o que está afastado tanto da pessoa que fala como da pessoa a quem se fala:
    • Por que latem aqueles cães lá longe? (R. Couto)

    • b) um afastamento no tempo de modo vago, ou uma época remota:
    • Por que acordaste naquela hora morta? (G. de Almeida)
    • Naquele tempo não existia o Dia do Papai. (C. D. de Andrade)

Outros empregos

  • 1. Este (esta, isto) é a forma de que nos servimos para chamar a atenção sobre aquilo que dissemos ou que vamos dizer:
  • Dizendo isto, Jorge entrou a falar de suas esperanças e futuros. (M. de Assis)

  • 2. Para aludirmos ao que por nós foi antes mencionado, costumamos usar também o demonstrativo esse (essa, isso):
  • Não se falava porém mais entre eles da matéria sentimental; esse capítulo estava cancelado. (J. de Alencar)

  • 3. Esse (essa, isso) é a forma que empregamos quando nos referimos ao que foi dito por nosso interlocutor:
  • — Vamos brincar de bandido?
  • — Aqui ninguém conhece esse brinquedo não, respondeu Sira. (G. Ramos)

  • 4. Tradicionalmente, usa-se nisto no sentido de então, nesse momento:
  • Nisto ouviu um ranger de botinhas no corredor. (J. Montello)

  • 5. Em certas expressões o uso fixou determinada forma do demonstrativo, nem sempre de acordo com o seu sentido básico. É o caso das locuções: além disso, isto é, isto de, por isso (raramente por isto), nem por isso:
  • Li, isto é, folheei, os três pesados volumes da Academia e não encontrei rasto da grande, da encomiada fênix dos engenhos. (J. Ribeiro)

Posição do pronome adjetivo demonstrativo

  • 1. O demonstrativo, quando pronome adjetivo, precede normalmente o substantivo que determina:
  • Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
  • Que me penetra bem, como este sol de inverno. (C. Pessanha)

  • 2. Pode, no entanto, vir posposto ao substantivo para melhor especificar o que se disse anteriormente:
  • Lia eu traduções de romances franceses, em edições populares vindas de Portugal, edições essas que nunca mais vi. (A. F. Schmidt)

  • 3. Usa-se para determinar o aposto, precedendo-o, geralmente quando este salienta uma característica marcante da pessoa ou do objeto:
  • Acudiu à memória de Rubião que o Freitas — aquele Freitas tão alegre — estava gravemente enfermo. (M. de Assis)

  • 4. Esse (e mais raramente este) emprega-se também para pôr em relevo um substantivo que lhe venha anteposto:
  • O sacrificador, esse, ficara rondando por aí. (C. D. de Andrade)
  • Ricardo, este, fora ferido mais gravemente. (L. Barreto)

Alusão a termos precedentes

  • 1. Quando queremos aludir, discriminadamente, a termos já mencionados, servimo-nos do demonstrativo aquele para o referido em primeiro lugar, e do demonstrativo este para o que foi nomeado por último:
  • "O certo é que um e outro são inseparáveis, ou antes, este determina aquele." (C. D. de Andrade)

  • 2. Observe-se também a ocorrência de dois demonstrativos em construções nas quais o predicativo do sujeito introduzido por aquele melhor esclarece o sujeito, expresso por um substantivo determinado por este ou esse.
  • Mas esses atos são justamente aqueles que os psiquiatras designam como características de qualquer perturbação mental. (T. Barreto)

Reforço dos demonstrativos

Quando, por motivo de clareza ou de ênfase, queremos precisar a situação das pessoas ou das coisas a que nos referimos, usamos acompanhar o demonstrativo de algum gesto indicador, ou reforçá-lo:

  • a) com os advérbios aqui, , ali, , , acolá:
  • — Espera aí. Este aqui já pagou. Agora vocês é que vão engolir tudo, se maltratarem este rapaz. (C. D. de Andrade)

  • b) com as palavras mesmo e próprio:
  • — Recusei. Não sei se fiz bem
  • — É por causa da mulher.
  • Isso mesmo. (O. Lins)

Valores afetivos

  • 1. Os demonstrativos reúnem o sentido de atualização ao de determinação. São verdadeiros "gestos verbais", acompanhados em geral de entoação particular e, não raro, de gestos físicos.
  • A capacidade de fazerem aproximar ou distanciar no espaço e no tempo as pessoas e as coisas a que se referem permite a estes pronomes expressarem variados matizes afetivos, em especial os irônicos.

  • 2. Nos exemplos a seguir, servem para intensificar, de acordo com a entoação e o contexto, os sentimentos de:
    • a) surpresa, espanto:
    • Essa agora! (J. de Sena)

    • b) admiração, apreço:
    • Nunca pensei que houvesse homens com aquela coragem. (J. Lins do Rego)

    • c) indignação:
    • Foi isto, meu senhor, foi esta praga daquele maldito. (M. de Assis)

    • d) pena, comiseração:
    • Aquela mulher, flor de poesia, era agora aquilo. (A. M. Machado)

    • e) ironia, malícia:
    • Este Brás! Este Brás! Não lhes digo nada! (A. de A. Machado)

    • f) sarcasmo, desprezo:
    • — Depois transformaram a senhora nisso, D. Adélia. Um trapo, uma velha sem-vergonha. (G. Ramos)

  • 3. Digno de nota é o acentuado valor irônico, por vezes fortemente depreciativo, dos neutros isto, isso e aquilo, quando aplicados a pessoas, como nestes passos:
  • Ninguém sabe onde ele anda, Seu Coronel! Aquilo é um desgraçado. (J. Lins do Rego)

  • Mas, pelos contrastes que não raro se observam nos empregos afetivos, podem esses demonstrativos expressar também alto apreço por determinada pessoa:

  • — Bonita mulher. Como aquilo vê-se pouco. Ele teve sorte. (C. Soromenho)

  • 4. As formas femininas esta e essa fixaram-se em construções elípticas do tipo:

  • Ora essa!
    Essa é boa!
    Essa, não!
    Essa cá me fica!
    Mais esta!...
    Esta é fina!

O, a, os, as como demonstrativo

O demonstrativo o (a, os, as) é sempre pronome substantivo e emprega-se nos seguintes casos:


  • a) quando vem determinado por uma oração ou, mais raramente, por uma expressão adjetiva, e tem o significado de aquele(s), aquela(s), aquilo:
  • Os passarinhos daqui
  • Não cantam como os de lá. (O. de Andrade)

  • b) quando, no singular masculino, equivale a isto, isso, aquilo, e exerce as funções de objeto direto ou de predicativo, referindo-se a um substantivo, a um adjetivo, ao sentido geral de uma frase ou de um termo dela:
  • Só ele o sabia ao certo. (A. Arinos)

  • São mulheres desgraçadas...
  • Como Agar o foi também. (C. Alves)

Substitutos dos pronomes demonstrativos

Podem também funcionar como demonstrativo as palavras tal, mesmo, próprio e semelhante.

  • 1. Tal é demonstrativo quando sinônimo:
    • a) de este, esta, isto, esse, essa, isso, aquele, aquela, aquilo:

    • Umas vezes tais gaiolas
    • vão penduradas nos muros. (J. C. de Melo Neto)

    • b) de semelhante:
    • Houve tudo quanto se faz em tais ocasiões. (M. de Assis)

  • 2. Mesmo e próprio são demonstrativos quando têm o sentido de exato, idêntico ou de em pessoa:
  • — Foi a própria Carmélia quem me fez o convite. (C. dos Anjos)

  • 3. Semelhante serve de demonstrativo de identidade:
  • Ele, Fabiano, espremendo os miolos, não diria semelhante frase. (G. Ramos)