Sua língua na Internet

Índice

06.02 Flexões dos substantivos

Os substantivos podem variar em número e em gênero.

Número

Quanto à flexão de número, os substantivos podem estar no singular ou no plural:

  • 1. No singular, quando designam um ser único, ou um conjunto de seres considerados como um todo (substantivo coletivo):
    • ave
    • bando

  • 2. No plural, quando designam mais de um ser, ou mais de um desses conjuntos orgânicos:
    • aves
    • bandos

    Formação do plural

    Substantivos terminados em vogal ou ditongo

    Regra geral

    O plural dos substantivos terminados em vogal ou ditongo forma-se pelo acréscimo de -s ao singular.

    singular plural singular plural
    mesa mesas pai pais
    estante estantes pau paus
    tinteiro tinteiros lei leis
    rajá rajás chapéu chapéus
    boné bonés camafeu camafeus
    javali javalis herói heróis
    cipó cipós boi bois
    peru perus mãe mães

    Incluem-se nesta regra os substantivos terminados em vogal nasal. Como a nasalidade das vogais /e/, /i/, /o/ e /u/, em posição final, é representada graficamente por -m, e não se pode escrever -ms, muda-se o -m em -n. Assim: bem faz no plural bens; flautim faz flautins; som faz sons; atum faz atuns.

    Regras especiais

    • 1. Os substantivos terminados em -ão formam o plural de três maneiras:

      • a) a maioria muda a terminação -ão em -ões:
      • singular plural singular plural
        balão balões gavião gaviões
        botão botões leão leões
        canção canções nação nações
        confissão confissões operação operações
        coração corações opinião opiniões
        eleição eleições questão questões
        estação estações tubarão tubarões
        fração frações vulcão vulcões

        Neste grupo se incluem todos os aumentativos:

        singular plural singular plural
        amigalhão amigalhões moleirão moleirões
        bobalhão bobalhões narigão narigões
        casarão casarões paredão paredões
        chapelão chapelões pobretão pobretões
        dramalhão dramalhões rapagão rapagões
        espertalhão espertalhões sabichão sabichões
        facão facões vagalhão vagalhões
        figurão figurões vozeirão vozeirões
      • b) um reduzido número muda o final -ão em -ães:
      • singular plural singular plural
        alemão alemães charlatão charlatães
        bastião bastiães escrivão escrivães
        cão cães guardião guardiães
        capelão capelães pão pães
        capitão capitães sacristão sacristães
        catalão catalães tabelião tabeliães
      • c) um número pequeno de oxítonos e todos os paroxítonos acrescentam simplesmente um -s à forma singular:
      • singular plural singular plural
        cidadão cidadãos acórdão acórdãos
        cortesão cortesãos bênção bênçãos
        cristão cristãos gólfão gólfãos
        desvão desvãos órfão órfãos
        irmão irmãos órgão órgãos
        pagão pagãos sótão sótãos

      Observações:

      • 1ª) Neste grupo se incluem os monossílabos tônicos, chão, grão, mão e vão, que fazem no plural chãos, grãos, mãos e vãos.
      • 2ª) Artesão, quando significa "artífice", faz no plural artesãos; no sentido de "adorno arquitetônico", o seu plural pode ser artesãos ou artesões.

    • 2. Para alguns substantivos finalizados em -ão, não há ainda uma forma de plural definitivamente fixada, notando-se, porém, na linguagem corrente, uma preferência sensível pela formação mais comum, em -ões. Assim:
    • singular plural singular plural
      alão
      alãos
      alões
      alães
      ermitão
      ermitãos
      ermitões
      ermitães
      alazão

      alazães
      alazões
      guardião

      guardiães
      guardiões
      aldeão
      aledãos
      aldeões
      aldeães
      hortelão

      hortelãos
      hortelões
      anão

      anãos
      anões
      refrão

      refrãos
      refrões
      ancião
      anciãos
      anciões
      anciães
      rufião

      rufiães
      rufiões
      corrimão

      corrimãos
      corrimões
      sultão
      sultãos
      sultões
      sultães
      castelão

      castelãos
      castelões
      verão

      verães
      verões
      cirurgião

      cirurgiães
      cirurgiões
      vilão

      vilãos
      vilões
      deão

      deães
      deões
      vulcão
      vulcãos
      vulcões
      vulcães

    Plural com alteração de timbre da vogal tônica

    • 1. Alguns substantivos, cuja vogal tônica é o fechado, além de receberem a desinência -s, mudam, no plural, o o fechado [ô] para o aberto [ó]:
    • abrolho escolho jogo povo
      aposto esforço miolo reforço
      caroço estorvo olho rogo
      contorno fogo osso socorro
      corcovo ovo fogo tijolo
      corpo foro poço toco
      corvo foço porco tojo
      despojo grosso porto torno
      destroço impostos posto troco
    • 2. Note-se, porém, que muitos substantivos conservam no plural o o fechado do singular. Entre outros, não alteram o timbre da vogal tônica:

    • adorno dorso molho reboco
      almoço encosto morro repolho
      bojo engodo namoro restolho
      bolo esposo pescoço rolo
      bolso estojo piloto rosto
      cachorro ferrolho piolho sopro
      coco globo polvo suborno
      consolo gosto potro topo

      Observação:

      Atente-se na distinção entre molho [ô] "condimento" (por ex.: o molho da carne) e molho [ó] "feixe" (por ex.: um molho de chaves), palavras que conservam no plural a mesma diferença de timbre da vogal tônica: molhos [ô] e molhos [ó].

    Substantivos terminados em consoante

    • 1. Os substantivos terminados em -r, -z e -n formam o plural acrescentando -es ao singular:
    • singular plural
      mar
      açúcar
      mares
      açúcares
      rapaz
      raíz
      rapazes
      raízes
      abdômen
      cânon
      abdômenes
      cânones

      Observações:

      • 1ª) Caráter faz no plural caracteres, com deslocação do acento tônico e com permanência do c que possuía de origem.

      • 2ª) Também com deslocação do acento é o plural dos substantivos espécimen, Júpiter, Lúcifer: especímenes, Jupíteres, Lucíferes. Advirta-se, porém, que, a par de Lúcifer, há Lucifer, forma antiga no idioma, cujo plural é, naturalmente, Luciferes.

    • 2. Os substantivos terminados em -s, quando oxítonos, formam o plural acrescentando também -es ao singular; quando paroxítonos, são invariáveis:

    • singular plural singular plural
      o português os portugueses o lápis os lápis
      o país os países o atlas os atlas

      Observações:

      • 1ª) O monossílabo cais é invariável. Cós é geralmente invariável, mas documenta-se também o plural coses.

      • 2ª) Como os paroxítonos terminados em -s, os poucos substantivos existentes finalizados em -x são invariáveis: o tóraxos tórax, o ônixos ônix.

      • 3. Os substantivos terminados em -al, -el, -ol e -ul substituem no plural o -l por -is:

      • singular plural singular plural
        animal animais farol faróis
        papel papéis paul pauis
      • Observação:
      • Excetuam-se as palavras mal e cônsul e seus derivados, que fazem, respectivamente, males, cônsules e, por este, procônsules, vice-cônsules.

      • 4. Os substantivos oxítonos terminados em -il mudam o -l em -s:
      • singular plural singular plural
        barril barris projetil projetis

      • 5. Os substantivos paroxítonos terminados em -il substituem esta terminação por -eis:
      • singular plural singular plural
        fóssil fósseis réptil répteis
      • Observações:
        • 1ª) Além de projetil, há na língua a variante paroxítona projétil, com o plural projéteis.

        • 2ª) Réptil, pronúncia que postula a origem latina da palavra, tem a variante reptil, cujo plural é, naturalmente, reptis.

      • 6. Nos diminutivos formados com os sufixos -zinho e -zito, tanto o substantivo primitivo como o sufixo vão para o plural, desaparecendo, porém, o -s do plural do substantivo primitivo.

      • Assim:

        singular plural
        balãozinho balõe(s) + zinhos > balõezinhos
        cãozito cãe(s) + zitos > cãezitos
        colarzinho colare(s) + zinhos > colarezinhos
        florzinha flore(s) + zinhas > florezinhas
        papelzinho papéi(s) + zinhos > papeizinhos

      Observação:

      Atualmente, usam-se com mais frequência as formas florzinhas, colarzinhos, mulherzinhas, barzinhos.

      Substantivos de um só número

      • 1. Há substantivos que só se empregam no plural. Assim:
      • afazeres bofes férias (escolares) parênteses
        algemas cãs fezes pêsames
        anais condolências finanças suspensórios
        antolhos confins idos trevas
        arredores efemérides matinas víveres
        belas-artes endoenças núpcias copas (naipe)
        boas-festas esponsais óculos espadas (naipe)
        boas-vindas exéquias olheiras ouros (naipe)
        bodas fastos parabéns paus (naipe)
      • 2. Outros substantivos existem que se usam habitualmente no singular. Assim os nomes de metais e os nomes abstratos: ferro, ouro, cobre; , esperança, caridade. Quando aparecem no plural, têm de regra um sentido diferente. Comparem-se, por exemplo, cobre (metal) a cobres (dinheiro), ferro (metal) a ferros (ferramentas, aparelhos). Incluem-se neste caso certos substantivos, como: ar (vento), ares (aparência); bem (benefício), bens (propriedade); costa (litoral), costas (dorso); féria (renda diária), férias (descanso).

      Substantivos compostos

      Não é fácil a formação do plural dos substantivos compostos. Observem-se, porém, as seguintes normas, com fundamento na grafia:

      • 1ª) Quando o substantivo composto é constituído de palavras que se escrevem ligadamente, sem hífen, forma o plural como se fosse um substantivo simples:
      • aguardente (s) claraboia (s) malmequer (es) lobisomen (s)
        varapau (s) ferrovia (s) pontapé (s) vaivén (s)

      • 2ª) Quando os termos componentes se ligam por hífen, podem variar todos ou apenas um deles:
      • singular plural
        couve-flor couves-flores/couves-flor
        obra-prima obras-primas
        salvo-conduto salvos-condutos/salvo-condutos
        grão-mestre grão-mestres
        guarda-marinha guardas-marinhas/guardas-marinha/guarda-marinhas
        guarda-roupa guarda-roupas

      Note-se, porém, que:

      • a) quando o primeiro termo do composto é verbo ou palavra invariável e o segundo substantivo ou adjetivo, só o segundo vai para o plural:
      • singular plural
        guarda-chuva guarda-chuvas
        sempre-viva sempre-vivas
        vice-presidente vice-presidentes
        bate-boca bate-bocas
        abaixo-assinado abaixo-assinados
        grão-duque grão-duques
      • b) quando os termos componentes se ligam por preposição, só o primeiro toma a forma de plural:
      • singular plural
        chapéu-de-sol chapéus-de-sol
        arco-da-velha arcos-da-velha
        peroba-do-campo perobas-do-campo
        joão-de-barro joões-de-barro
        água-de-colônia águas-de-colônia
      • c) também só o primeiro toma a forma de plural quando o segundo termo da composição é um substantivo que funciona como determinante específico:
      • singular plural
        navio-escola navios-escola
        salário-família salários-família
        banana-prata bananas-prata
        manga-espada mangas-espada
      • d) geralmente ambos os elementos tomam a forma de plural quando o composto é constituído de dois substantivos, de um substantivo e um adjetivo, ou de um numeral e um substantivo:
      • singular plural
        carta-bilhete cartas-bilhetes
        tentente-coronel tenentes-coronéis
        amor-perfeito amores-perfeitos
        gentil-homem gentis-homens
        água-marinha águas-marinhas
        vitória-régia vitórias-régias
        primeiro-tenente primeiros-tenentes
        segunda-feira segundas-feiras

      Gênero

      Há dois gêneros em português: o masculino e o feminino.

      • 1. Pertencem ao gênero masculino todos os substantivos a que se pode antepor o artigo o:
        • o aluno
        • o pão
        • o poema
        • o jabuti
      • 2. Pertencem ao gênero feminino todos os substantivos a que se pode antepor o artigo a:
        • a casa
        • a mão
        • a ema
        • a juriti
      • 3. O gênero de um substantivo não se conhece, de regra, nem pela sua significação, nem pela sua terminação.

      Para facilidade de aprendizado, convém, no entanto, saber:

      Quanto à significação

      • 1. São geralmente masculinos:
        • a) os nomes de homens ou de funções por eles exercidas:
          • João
          • mestre
          • padre
          • rei

        • b) os nomes de animais do sexo masculino:
          • cavalo
          • galo
          • gato
          • peru

        • c) Os nomes de lagos, montes, oceanos, rios e ventos, nos quais se subentendem as palavras lago, monte, oceano, rio e vento, que são masculinas:
        • o Amazonas [= o rio Amazonas]

          o Atlântico [= o oceano Atlântico]

          o Minuano [= o vento Minuano]

          os Alpes [= os montes Alpes]


        • d) os nomes dos meses e dos pontos cardeais:
          • março findo
          • setembro vindouro
          • o Norte
          • o Sul
      • 2. São geralmente femininos:
        • a) os nomes de mulheres ou de funções por elas exercidas:
          • Maria
          • professora
          • freira
          • rainha
        • b) os nomes de animais do sexo feminino:
          • égua
          • galinha
          • gata
          • perua
        • c) os nomes de cidades e ilhas, nos quais se subentendem as palavras cidade e ilha, que são femininas:
          • a antiga Ouro Preto
          • a Sicília
          • as Antilhas

      Quanto à terminação

      • 1. São masculinos os nomes terminados em -o átono:
        • o aluno
        • o livro
        • o lobo
        • o banco
      • 2. São geralmente femininos os nomes terminados em -a átono:
        • o aluna
        • a caneta
        • a loba
        • a mesa

        Excetuam-se, porém, clima, cometa, dia, fantasma, mapa, planeta, telefonema, e alguns outros que serão estudados adiante.

      • 3. Dos substantivos terminados em -ão, os concretos são masculinos e os abstratos femininos:
      • o agrião o algodão a educação a opinião
        o balcão o feijão a produção a recordação

    Excetua-se mão, que, embora concreto, é feminino.

    Fora desses casos, é sempre difícil conhecer-se pela terminação o gênero de um dado substantivo.

    Formação do feminino

    Os substantivos que designam pessoas e animais costumam flexionar-se em gênero, isto é, têm geralmente uma forma para indicar os seres do sexo masculino e outra para indicar os do sexo feminino. Assim:

    masculino feminino masculino feminino
    homem mulher bode cabra
    aluno aluna galo galinha
    cidadão cidadã leitão leitoa
    cantor cantora barão baronesa
    profeta profetisa lebrão lebre

    Dos exemplos citados verifica-se que a forma do feminino pode ser:

    • a) completamente diversa da do masculino, ou seja, proveniente de um radical distinto:
      • bode
      • cabra
      • homem
      • mulher
    • b) derivada do radical do masculino, mediante a substituição ou o acréscimo de desinências:
      • aluno
      • aluna
      • cantor
      • cantora

    Examinemos, pois, à luz desses dois processos, a formação do feminino dos substantivos da nossa língua.


    Masculinos e femininos de radicais diferentes

    Convém conhecer os seguintes:

    masculino feminino masculino feminino
    bode cabra genro nora
    boi (ou touro) vaca homem mulher
    cão cadela macho fêmea
    carneiro ovelha marido esposa
    cavalheiro dama padrasto madrasta
    compadre comadre padrinho madrinha
    cavalo égua pai mãe
    frei sóror (ou soror) zangão (ou zângão) abelha

    Femininos derivados de radical do masculino

    Regras gerais
    • 1ª) Os substantivos terminados em -o átono formam normalmente o feminino substituindo essa desinência por -a:
    • masculino feminino masculino feminino
      gato gata pombo pomba
      lobo loba aluno aluna

      Observação:

      Além das formações irregulares, que vimos, há um pequeno número de substantivos terminados em -o, que, no feminino, substituem essa final por desinências especiais. Assim:

      masculino feminino masculino feminino
      diácono diaconisa maestro maestrina
      galo galinha silfo sílfide
    • 2ª) Os substantivos terminados em consoante formam normalmente o feminino com o acréscimo da desinência -a. Exemplos:
    • masculino feminino masculino feminino
      camponês camponesa leitor leitora
      freguês freguesa pintor pintora
    Regras especiais
    • 1ª) Os substantivos terminados em -ão podem formar o feminino de três maneiras:
      • a) mudando -ão em -oa:
      • masculino feminino masculino feminino
        ermitão ermitoa leitão leitoa
        hortelão horteloa patrão patroa

      • b) mudando -ão em :
      • masculino feminino masculino feminino
        campeão campeã cidadão cidadã
        cirurgião cirurgiã irmão irmã

      • c) mudando -ão em -ona:
      • masculino feminino masculino feminino
        comilão comilona espertalhão espertalhona
        sabichão sabichona solteirão solteirona

      Observações:

      •     1ª) Como se vê, os substantivos que fazem o feminino em -ona são ou aumentativos ou adjetivos substantivados.

      •     2ª) Não seguem estes processos de formação os substantivos seguintes:
      • masculino feminino masculino feminino
        barão baronesa lebrão lebre
        ladrão ladra ou ladrona perdigão perdiz

      • 2ª) Os substantivos terminados em -or formam normalmente o feminino, como dissemos, com o acréscimo da desinência -a:
      • masculino feminino masculino feminino
        pastor pastora remador remadora

      Alguns, porém, fazem o feminino em -eira. Assim: cantador — cantadeira, cerzidor — cerzideira.

       Outros, dentre os finalizados em -dor e -tor, mudam estas terminações em -triz. Assim: ator — atriz, imperador — imperatriz.

      Observação:

      De embaixador há, convencionalmente, dois femininos: embaixatriz (a esposa do embaixador) e embaixadora (funcionária chefe de embaixada).

      • 3ª) Certos substantivos que designam títulos de nobreza e dignidades formam o feminino com as terminações -esa, -essa e -isa:
      • masculino feminino masculino feminino
        barão baronesa duque duquesa
        conde condessa sacerdote sacerdotisa

      • Observação:
      • De prior há o feminino prioresa (superiora de certas ordens) e priora (irmã da Ordem Terceira)

      • 4ª) Os substantivos terminados em -e, não incluídos entre os que acabamos de mencionar, são geralmente uniformes. Essa igualdade formal para os dois gêneros é, como veremos adiante, quase que absoluta nos finalizados em -nte, de regra originários de particípios presentes e de adjetivos uniformes latinos. Há, porém, um pequeno número que, à semelhança da substituição -o (masculino) por -a (feminino), troca o -e por -a. Assim:
      • masculino feminino masculino feminino
        elefante elefanta mestre mestra
        governante governanta monge monja
      • Observação:
      • Os femininos giganta (de gigante), hóspeda (de hóspede) e presidenta (de presidente) têm ainda uso restrito no idioma.

      • 5ª) São dignos de nota os femininos dos seguintes substantivos:
      • masculino feminino masculino feminino
        avô avó maestro maestrina
        cônsul consulesa píton pitonisa
        czar czarina poeta poetisa
        felá felaína profeta profetisa
        frade freira rajá rani
        grou grua rapaz rapariga, moça
        herói heroína rei rainha
        jogral jogralesa réu
      • Observação:
      • Rapariga é o feminino de rapaz usado mais em Portugal. No Brasil, prefere-se moça em razão do valor pejorativo que, em certas regiões, adquiriu o primeiro termo.